Enfermagem Na Net: Novembro 2014

Links Patrocinados

Oxímetros de Pulso              Estetoscópios              UltrasSom              Glicosímetros

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

UltrasSom Fetal

http://loja.contec.med.br/doppler-ultra-som-fetal-baby-sound-b-contec-med

http://loja.contec.med.br/doppler-ultra-som-fetal-baby-sound-b-contec-med

UltrasSom Fetal MercadoLivre Preço
Tags: Gravidez

Oxímetros de Pulso              Estestoscópios              UltrasSom              Glicosímetros

Vagas Enfermagem Rio de Janeiro


Enfermeiro – R$2.200,00 – Duque de Caxias – 2 vagas

hospital de grande porte localizado no centro de caxias – rio de janeiro Cargo: enfermeiro Número de vagas: 2 Descrição do cargo / Responsabilidades:Responsavel por planejar e executar as… Leia mais…

Técnico de Enfermagem – R$1.100,00 – Duque de Caxias – 10 vagas

Hospital de grande porte localizado em Caxias – Rio de janeiro Cargo: Técnico de Enfermagem Número de vagas: 10 Descrição do cargo / Responsabilidades:Atendimento humanizado e atividades… Leia mais…

Estágio Técnico em Enfermagem – R$ 443,32 – Botafogo

COMLURB, seleciona para compor seu staff: Estagiários Descrição da vaga/ Requisitos: – Cursando TÉCNICO EM ENFERMAGEM;- Estar cursando os 4 últimos períodos do curso;- Disponibilidade de… Leia mais…

Maqueiro – R$ 1.050,00 – Ensino Médio – Niterói

Agente de Transporte (Maqueiro) -Niterói /RJDescrição da vaga/ Requisitos:Ensino médio completoIdade: Indiferente Sexo:Masculino Salário: R$ 1.050,00Carga horária: Diarista – 44 h… Leia mais…

TÉCNICO EM ENFERMAGEM – R$ 1.200,00 – CENTRO RJ

EMPRESA DE SAUDE OCUPACIONAL EM EXPANSÃO NO CENTRO DO RIO RECRUTA PARA INICIO IMEDIATO TECNICA EM ENFERMAGEM Cargo: TECNICO EM ENFERMAGEM Número de vagas: 1 Descrição do cargo /… Leia mais…

TÉCNICO DE ENFERMAGEM – EMPRESA DE LOGÍSTICA – NITERÓI

Empresa do segmento de logística oferece oportunidade para profissional com o seguinte perfil: NITERÓI – TÉCNICO DE ENFERMAGEM Contratação CLT Atividades:Desempenhar atividades técnicas… Leia mais…

Estágio Tecnico em Enfermagem – R$ 443,32 – Botafogo

COMLURB, seleciona para compor seu staff: Estagiários Descrição da vaga/ Requisitos: – Cursando TÉCNICO EM ENFERMAGEM;- Estar cursando os 4 últimos períodos do curso;- Disponibilidade de… Leia mais…

Técnico em Enfermagem – R$ 1.297,00 – 40 Vagas – São Gonçalo

Grande Rede hospitalar esta contratando Técnicos de Enfermagem para Completar Seu quadro de funcionários Cargo: Técnico de Enfermagem Número de vagas: 40 Descrição do cargo /… Leia mais…

Técnico em Enfermagem – Empresa de Saúde Infantil – Recreio dos Bandeirantes

Empresa no segmento da saúde infantil contrata para seu quadro funcional. Cargo: Técnica(o) de enfermagem Número de vagas: 1 Descrição do cargo /… Leia mais…

TÉCNICO EM ENFERMAGEM – 15 VAGAS – SÃO CRISTÓVÃO

A maior operadora independente de hospitais do Brasil com acreditação nacional e internacional. Cargo: TÉCNICO DE ENFERMAGEM Número de vagas: 15 Descrição do cargo /… Leia mais…

Enfermeiro – R$ 2.529,60 – São Gonçalo

Empresa de pequeno porte contrata ENFERMEIRO para trabalhar em São Gonçalo. Requisitos: – Bacharel em Enfermagem; – Experiência mínima de 01 ano na área; – Residir em São Gonçalo;… Leia mais…

Técnico de Enfermagem – UTI NEO – SANTA CRUZ

Grande hospital localizado em Santa Cruz contrata: Técnico de Enfermagem com experiência em UTI NEONATAL Escala: 12x60Salário: R$ 1313,00 + 144,00 ( insalubridade) + plano de saúde +… Leia mais…

Consultor Junior – Ensino Superior – Barra da Tijuca

Enfermagem (Consultor Junior) – Barra da Tijuca Empresa de Gestão em Saúde está expandindo seu quadro de funcionários na matriz Barra da Tijuca e seleciona profissionais para atuar com… Leia mais…

Enfermeiro de Contas Médicas – Ensino Superior – Zona Norte

Empresa Nacional de Grande Porte, prestadora de serviços na área de saúde, seleciona: Enfermeiro (a) – Contas Médicas Superior Completo em Enfermagem Vivência anterior na área de auditoria… Leia mais…

Técnico em Enfermagem do Trabalho – R$ 1.300,00 – Bonsucesso

Empresa do segmento de prestação de serviços contrata: Técnico de Enfermagem do Trabalho Formação: Técnico em Enfermagem do Trabalho, registrado no COREM; Experiência/conhecimento:… Leia mais…

Técnico em Enfermagem – Diurno e Noturno – Zona Sul

Hospital São Lucas abre vagas na área de enfermagemO São Lucas é o único hospital da Zona Sul do Rio que oferece a possibilidade de carreira para cargo de enfermagem, através de… Leia mais…

TÉCNICO EM ENFERMAGEM – R$ 1040,68 – BARRA DA TIJUCA

*HOSPITAL DE GRANDE PORTE SELECIONA:* *TÉCNICO DE ENFERMAGEM – UI* *HORÁRIO DE TRABALHO:* PLANTONISTA 12X60 ( + 2 complementações) POR MÊS. *LOCAL DE TRABALHO:* BARRA DA TIJUCA – ZONA OESTE… Leia mais…

TÉCNICO DE ENFERMAGEM – NITERÓI – 10 vagas

Empresa de estética busca profissional para preencher a seguinte vaga: Cargo: TÉCNICO DE ENFERMAGEM Número de vagas: 10 Descrição do cargo / Responsabilidades: TRABALHAR COM… Leia mais…

Professor – Jovens e Adultos – Duque de Caxias – 15 vagas

Colégio em Duque de Caxias/RJ em expansão para o ano de 2015 seleção de professores Cargo: Aberta a seleção de Professores e Instrutores para 2015 Número de vagas:… Leia mais…

Técnico em Enfermagem do Trabalho – R$ 2.566,00 – Duque de Caxias

AlliageConsultoria em Recursos Humanos selecionapara empresa de grande porte localizada em Duque de Caxias: TÉCNICO EM ENFERMAGEM DO TRABALHO Temporário Pré-Requisitos: · Ensino… Leia mais…


Oxímetros de Pulso              Estestoscópios              UltrasSom              Glicosímetros

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Programa de bilhões de dólares deverá acabar com a epidemia de HIV até 2030

Programa de bilhões de dólares deverá acabar com a epidemia de HIV até 2030

Programa de bilhões de dólares deverá acabar com a epidemia de HIV até 2030
A ONU pretende vencer substancialmente o HIV ao longo dos próximos 15 anos. Este objetivo é atingível, mas requer um programa intensivo e investimentos que somam vários bilhões de dólares, disse Michel Sidibe, diretor do programa de AIDS das Nações Unidas (United Nations AIDS programme, UNAIDS) em Los Angeles.
Na situação atual, cerca de 35 milhões de pessoas estão infectadas com o vírus e 1,5 milhões morrem anualmente de AIDS e suas consequências. Estima-se que 13,6 milhões de pessoas tenham acesso a terapias anti-retrovirais. Dois milhões de novas infecções são reportadas todos os anos.
O objetivo do UNAIDS é assegurar que aproximadamente 15 milhões de pessoas tenham acesso à terapia anti-retroviral em 2015. Até 2020, o número de novas infecções deverá ser reduzido para 500.000. Além disso, 90% devem ter conhecimento da sua infecção, 90% devem ser tratados e outros 90% devem ter uma carga viral suprimida e controlada. 2030 deverá ver estas taxas aumentadas para 95-95-95.
Assim, 28 milhões de novas infecções e 21 milhões de mortes relacionadas à AIDS poderão ser evitadas. Porém, pelo menos nos primeiros anos, o montante anual de fundos necessários chega a 35 bilhões de dólares (28 bilhões de euros).
Nos últimos anos, as mortes e o número de recém-infectados já diminuíram. "Fizemos uma curva na trajetória," disse Sidibe "Agora temos cinco anos para interrompê-la de vez, ou corremos o risco da epidemia regressar de forma incontrolável."


Oxímetros de Pulso              Estestoscópios              UltraSom              Glicosímetros

Nanopartículas dissimuladas podem melhorar as vacinas contra o câncer

Nanopartículas dissimuladas podem melhorar as vacinas contra o câncer

Nanopartículas dissimuladas podem melhorar as vacinas contra o câncer
Foram depositadas muitas esperanças nas vacinas contra o câncer, mas até o momento estas não se provaram especialmente eficazes. O problema é que os componentes da vacina em geral são consumidos pelas células imunes circulantes, como os macrófagos e as células dendríticas, antes que possam desenvolver seu efeito. As nanopartículas invisíveis poderiam ser a solução, escreveram cientistas japoneses na revista "ACS Nano".
Os resultados recentes do estudo mostraram que determinados macrófagos nos linfonodos poderiam ser a chave para retardar o câncer. Assim, os pesquisadores das Universidades de Mie e de Kyoto procuraram um modo de levar as vacinas para dentro dos linfonodos sem que fossem prejudicadas.
Para isso contaram com as nanopartículas invisíveis. Em estudos clínicos com camundongos, as nanopartículas invisíveis, que não têm carga elétrica nem moléculas de superfície, conseguiram penetrar com sucesso nos gânglios linfáticos dos camundongos.
No entanto, ao chegarem lá, foram imediatamente englobadas pelos macrófagos visados. Assim, os cientistas inseriram nas nanopartículas moléculas de sinalização das células killer (matadoras). Desse modo foi possível reduzir o crescimento do tumor nos camundongos de um modo significativamente mais eficaz do que antes.


Oxímetros de Pulso              Estestoscópios              UltraSom              Glicosímetros

segunda-feira, 24 de novembro de 2014



Participação de Pais no Cuidado à Criança Hospitalizada
.
Siqueira, Giselle Santana.
I
Bueno, Priscilla Marques Hasmam.
II
Resumo
Este estudo tem como objeto, o entendime
nto da equipe de enfe
rmagem acerca da
participação de pais no cuidado a criança hos
pitalizada. Objetivando: identificar
benefícios decorrentes da participação de pa
is no cuidado e descrever que tipos de
cuidado os pais podem realizar no ambiente
hospitalar. Trata-se de um estudo de
abordagem qualitativa, com caráter descritivo. Os dados foram coletados através de
questionários estruturados na cidade de Volt
a Redonda. Os resultados mostraram
que os benefícios trazidos as crianças, es
tão relacionados à segurança e conforto,
calma e tranqüilidade, além de
agilidade na alta hospitalar,
em relação aos cuidados
que os pais podem participar destacaram-se auxíl
io na alimentação, higiene e auxílio
na deambulação. A equipe de enferm
agem revelou entender e compreender a
participação de pais acerca da realização
dos cuidados, mas ainda não são capazes
de organizar uma metodologia de assistênc
ia planejada, visando uma melhor
interação entre equipe e pais.
Palavras-chave:
Pais; Crianças Hospitalizadas; Benefícios.
I – Graduanda, Curso de Enfermagem Centro
Universitário de Volta Redonda –
UniFOA
gisellesiq@yahoo.com.br
II – Docente, Curso de Enfermagem Cent
ro Universitário de Volta Redonda –
UniFOA
priscillahasmam@bol.com.br
Assistência de Enfermagem ao RN em Pós-operatório
1
Ferraz, Thatiane Carrara
2
Alves, Angelina Maria Aparecida
3
Oliveira, Clarissa Ferreira Pontual de
Resumo
Esta pesquisa tem como objeto as estr
atégias adotadas pelo enfermeiro para
promover conforto ao recém-
nascido em pós-operatório. Te
ve por objetivos: apontar
como os enfermeiros identificam sinais
de desconforto do RN no pós-operatório e
descrever as estratégias adotadas pelo enf
ermeiro para promover o conforto do RN
em pós-operatório. Estudo descritivo, co
m abordagem qualitativa. A coleta de dados
foi realizada em hospital da rede privada no
município de Volta
Redonda. Os sujeitos
desta pesquisa foram 20 enfermeiros(as)
que atuam em Unidades de Terapia
Intensiva Neonatal. Foi utilizado um quest
ionário com perguntas abertas. Os
resultados apontam que os enfermeiros utilizam
como referência para identificar o
desconforto do RN com maior freqüência
o choro, a expressão facial e a
irritabilidade. Estes têm como estr
atégias o posicionamento adequado e a
administração de analgesia como medidas
de proporção de conforto a estes bebês.
Desta forma, pode ser concluído que o enferme
iro deve se manter atento a essas
questões e trabalhar com sua equipe de forma
integrada, buscando a prevenção dos
agravos e riscos a saúde dessas crianças.
Palavras – chave:
Assistência de Enfermagem;
Recém – Nascido; Pós –
Operatório.
1. Graduanda e concluinte do Curso
de Graduação em Enfermagem do UNIFOA
– Centro Universitário de Volta R
edonda. E-mail: thati.carrara@gmail.com
2. Doutora em Enfermagem, Professora
e Orientadora do Curso de Graduação
em Enfermagem do UNIFOA – Centro Univ
ersitário de Volta Redonda. E-mail:
alvesangelina@yahoo.com.br
3. Professora co-orientadora do Cu
rso de Graduação em Enfermagem do
UNIFOA – Centro Universitário de Volta Redonda. E-mail:
cla.pontual@yahoo.com.br
Consulta Pré-natal: Papel do En
fermeiro na Visão de Gestantes
Nogueira, Virgínia Cristina de Oliveira. *
Malta, Maria da Glória.
**
Silva, Ilda Cecília Moreira. ***
Resumo:
Este estudo refere-se ao discurso de gest
antes acerca de sua aceitação à consulta
pré-natal realizada por enfermeiros. Teve co
mo objetivos: descrever o discurso das
clientes acerca do papel do enfermeiro
responsável pela consulta pré-natal e
analisar as expectativas das mesmas a
uma consulta pré-natal realizada por
enfermeiros. Trata-se de um estudo
descritivo com abordagem qualitativa, que
utilizou como coleta de dados um questio
nário. Foram entrevistadas 20 gestantes
inscritas no Programa de Pré-
natal no Centro de Atenção Integrada em Saúde em
um bairro, no município de Volta Redonda.
Os resultados evidenciaram que as
depoentes percebem a abor
dagem do enfermeiro como uma forma de acolhimento,
e se referem ao tratamento recebido co
mo sendo uma abordagem humanizada. Os
relatos também demonstram a importância
da consulta de enfermagem como sendo
um processo educativo e que as gestantes mo
stram-se satisfeitas com a consulta e
com o trabalho das enfermeiras. Os achados ainda destacaram o anseio das
entrevistadas em esclarecer suas dúvidas
e ampliar os seus conhecimentos, que as
gestantes realizam a consulta pré-natal
com o intuito de promover a saúde tanto
própria quanto à do seu
bebê. Entendemos que para a sa
tisfação da cliente é
necessário conhecer suas expectativas sobr
e a consulta pré-natal e que as ações
cotidianas de humanização criam um el
o confiança e segurança garantindo a
qualidade e o sucesso da consulta pré-natal.
Palavras-Chave:
Enfermagem; Consulta Pré-Natal; Gestante.
*Graduanda do 8º periodo de Enfermagem – UniFOA.
e-mail:
virginiacristina_vr@yahoo.com.br
**Especialista em Formação de Docentes
para o Ensino Superior. Docente do
UniFOA.
e- mail:
maria.malta@foa.org.br
*** Doutora e livre docente em Enfermagem. Coordenadora do curso de
Graduação em Enfermagem
e-mail:
Ilda.silva@foa.org.br
A Comunicação e sua Contribuição
para Interação Enfermeiro-Cliente
TRINDADE, Willian Rocha*
NUNES, Márcia Batista Gil***
Resumo
Este estudo trata do entendime
nto dos enfermeiros acerca da comunicação e sua
contribuição para interação enf
ermeiro-cliente. Objetivando: descrever o significado
da comunicação para o enfermeiro no seu
exercício profissi
onal e ressaltar a
contribuição da comunicação para interação
entre enfermeiro-cliente. Trata-se de um
estudo exploratório, com
abordagem qualitativa descr
itiva desenvolvida com 20
enfermeiros, em Volta Redonda-RJ, ut
ilizando um questionário. Com relação ao
significado da comunicação evidenciou-se:
Tudo, sendo fundamental para base de
um serviço qualificado e para assistência
e concretização das ações; essencial,
traduzida por: A essência de um serviço
é o que o qualifica;
e fundamental para o
desenvolvimento profissional
. Quanto sua contribuição re
velou-se um instrumento
facilitador e fundamental para contin
uidade das ações. Conclui-se que os
enfermeiros entendem a import
ância da comunicação e sua contribuição no seu
exercício profissional.
Palavras-chave
: comunicação, interação e enfermeiro-cliente.
*Graduando do 8º período de en
fermagem do UniFOA. E-mail:
willian.r.trindade@gmail.com
***Doutoranda em enfermagem; doscente do UniFOA. E-mail:
marciagil@uol.com.br
TÉCNICAS ALTERNATIVAS À HEMO
TRANSFUSÃO: O Conhecimento do
Enfermeiro
Santos, Jônatas Coêlho dos
1
Braz, Márcia Ribeiro.
2
Resumo:
Este estudo trata do entendime
nto de enfermeiros acerca de clientes que recusam a
hemotransfusão e das implic
ações éticas e legais que es
te procedimento pode trazer
para o profissional enfermeiro, tendo como
objetivos: identificar o conhecimento dos
enfermeiros acerca das terapias alter
nativas à hemotransfusão e descrever os
sentimentos referidos pelos enfermeiros, di
ante da recusa à hemotransfusão. Estudo
com abordagem qualitativa, de caráter descritiv
o com características exploratórias,
tendo como sujeitos enfermeiros de hospitais
públicos e privados da cidade de Volta
Redonda, RJ. O instrument
o para a coleta de dados foi uma entrevista semi-
estruturada com perguntas abertas. Os re
sultados revelaram que a maioria dos
enfermeiros sentem-se frustrados e impot
entes diante da recusa dos pacientes à
hemotransfusão, mas respeitam a decisão do mesmo. Dos dez enfermeiros
entrevistados, cinco nunca ouviram falar de
substâncias que poderiam substituir o
sangue; quatro acreditavam que a eritropoet
ina recombinada tivesse esta função,
sendo que, dois destes, desconheciam
o nome comercial da eritropotina
recombinada e apenas um enfermeiro, disse
já ter ouvido falar de
sangue artificial
superficialmente e não sabia citar o nom
e de nenhum tipo destas substâncias. O
direito do paciente que não aceita sangue po
r convicções religiosas não é diferente
do direito de qualquer pessoa de escolher
o tipo de tratamento médico que deseja
para si.
1
Graduanda do curso de graduação em
Enfermagem - UniFOA
2
Doutoranda em Enfermagem pela a Escola
de Enfermagem Anna Nery, docente do
curso de graduação em Enfermagem - UniFOA
ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMILIA: AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO
ENFERMEIRO
* HONORATO, Lais Ribeiro.
** PEREIRA, Sinara S.
Resumo:
Esta pesquisa trata das ações des
envolvidas pelo enfermeiro que atua na
Estratégia Saúde da Família e tendo como
objetivo: descrev
er a proposta da
ESF, identificar as ações do enfermeiro e descrever as dificuldades
encontradas pelo enfermeiro para desenvol
ver as ações preconizadas pelo
Ministério da Saúde. Tr
ata-se de uma pesquisa
descritiva com abordagem
qualitativa, realizado em
unidades da ESF, no municí
pio de Volta Redonda, do
estado do Rio de Janeiro. Participar
am da pesquisa, 20 enfermeiros que
compõem essas unidades.Os dados foram
obtidos através de questionários
com perguntas abertas. Após a analise dos
questionários, identificou-se que os
enfermeiros que atuam nas equipes rela
tam que a proposta da ESF estabelece
a prevenção e a promoção da saúde, al
ém da reorganização dos serviços de
saúde. Das ações por estes pr
ofissionais desenvolvidas,
está a assistência e a
gerência. Dentre as dificuldades encont
radas pelos sujeitos as principais
apontadas para desenvolver suas ações, está a falta de informação dos
usuários e gestores com relação à pr
oposta da estratégia e o perfil dos
profissionais que compõem as equi
pes que ainda são formados segundo o
modelo hospitalocêntrico, onde o pr
ofissional não tem vínculo com a
comunidade a qual atua. Va
le a pena ressaltar que
a estratégia Saúde da
Família não é uma estratégia para at
ender somente a determinados grupos e
sim atuar de forma integral, junto às
famílias em todas as fases de vida.
Palavras chave:
Estratégia Saúde da Família; pr
omoção e prevenção; enfermeiro.
* Graduando do 8º do curso de enfermagem de Volta Redonda de 2007 no Centro
Universitário de Volta Redonda.
* *Enfermeira, Mestrado em Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SAÚDE: ENFOQUE NA ÁREA
HOSPITALAR
Guilherme, Juliana Ignácio
1
Silva, Maria Cristina Azevedo
2
RESUMO:
Este estudo consiste num levantamento bi
bliográfico acerca
do gerenciamento de
resíduos de serviços de saúde, relaciona
ndo-o à biossegurança, as leis que o
regulamentam e o impacto ambiental. Tem
como objetivos: apontar a importância do
gerenciamento de resíduos nos serviços
de saúde e suas relações com o meio
ambiente e identificar a fala
dos autores sobre o tratam
ento diferenciado destes
resíduos. Trata-se de um estudo com ab
ordagem qualitativa,
sendo uma pesquisa
bibliografia. Foram agrupados textos e
artigos científicos que referenciam as
legislações nacionais do Conselho Nacion
al do Meio Ambiente (CONAMA), Agência
Nacional de Vigilância Sa
nitária e literaturas espec
íficas. Os resultados
demonstraram a enfermagem assume um
papel relevante no gerenciamento de
resíduos, destacando a melhoria das condi
ções de saúde da população e do meio
ambiente e que a redução de resíduos poderá
ocorrer frente a reciclagem dos tais, a
promoção de depósito de tratamentos e
monitoramento que resguarde o meio
ambiente dos possíveis impactos ocasionado
s por resíduos hospitalares. Conclui-se
que o gerenciamento de qualidade deve começar dentro do próprio ambiente
hospitalar de maneira que promova a di
minuição dos resíduos e que tenha
disposição adequada dos mesmos.
Palavras-Chave: Gerenciamento; Resí
duos Hospitalares; Meio Ambiente.
1
Graduanda do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente do Curso de Enfermagem do UniFOA. Especialista em Controle de
Infecção Hospitalar.
EDUCAÇÃO EM SAÚDE: CONTRIBUIÇÃO
DO ENFERMEIRO NO CONTEXTO DA
ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF)
1
Silva, Rosa Maria
2
Pinto, Maria Fátima da Rocha
RESUMO:
Este estudo consiste num levantamento bi
bliográfico em arti
gos publicados acerca
da educação em saúde no c
ontexto da ESF. Objetivando: descrever a atuação de
enfermeiros no tocante a educação em saú
de da comunidade no contexto da ESF e
apontar as principais ações
educativas desenvolvidas pelo enfermeiro dentro da
comunidade atendida na ESF.
Trata-se de um estudo nu
ma abordagem qualitativa,
de caráter descritivo
exploratório, sendo uma pesquisa bibliogr
áfica. Foram realizados levantamentos
bibliográficos em pesquisas on-line regist
radas nas bases de dados Scielo, Lilacs e
BDENF. A análise nos permi
tiu apreender que são proposta
s metas de promover a
ampliação do conhecimento em
educação em saúde a nível comunitário de maneira
a evitar doenças, aproximação da reali
dade sócio, econômica e cultural da
população, identificando fatore
s de agravo à saúde. Em suma, os enfermeiros e sua
equipe multiprofissional co
ntribuem para a efetivação
da ESF, pois desenvolvem
atividades de educação em saúde com o ob
jetivo de criarem na comunidade hábitos
saudáveis de vida, promoção da saúde e
a melhoria da qualidade de vida.
Palavras-Chave: Enfermagem;
Educação em Saúde; ESF.
1
Graduanda do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de Enferm
agem do UniFOA. Mestre em Ensino de
Ciências da Saúde.
SAÚDE DA MULHER: PRODUÇÃO
CIENTÍFICA DE ENFERMEIROS
BRASILEIROS EM EVENTO INTERNACIONAL
1
Murat, Zilda dos Reis
2
Sepp, Valquíria Jorge
3
Silva, Ilda Cecília Moreira da
RESUMO:
O estudo se refere a produção científica
de enfermeiros brasileiros em evento
internacional sobre a saúde da mulher. Te
ve como objetivos: identificar estudos
sobre a saúde da mulher no “Anais” do X
Colóquio Panamerica
no de Investigación
em Enfermeria e analisar resumos de estudos sobre a saúde da mulher
apresentados neste mesmo evento. Fora
m selecionados 14 resumos no Anais desse
evento internacional ocorrido em Buenos Ai
res, na Argentina em 2006. Estudo, com
abordagem qualitativa, teve como fonte se
cundária bibliografias referentes ao
trabalho de enfermeiros e “Anais” do X Co
lóquio Panamericano de Investigación em
Enfermeria. Foi possível evidenciar dos 246 trabalhos apresentados pelos
enfermeiros, 26 tratavam da saúde da mulh
er. A análise permitiu
identificar Saúde da
Mulher e Qualidade de Vida como categoria
s. Concluímos que as práticas da saúde
da mulher requerem aperfeiçoamento nas decisões políticas.
Palavras-Chave: Enfermagem; Saúde da Mulher; Qualidade de Vida.
1
Graduanda do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de Enferm
agem do UniFOA. Mestre em Ensino de
Ciências da Saúde.
3
Livre-docente e Doutora em Enferm
agem. Coordenadora do Curso de Graduação
em Enfermagem do UniFOA.
O SUJEITO COMO PRODUTO E PROD
UTOR DA REALIDADE SOCIAL: E A
ENFERMAGEM
1
Diogo, Mayara Athanásio
2
Silva, Ilda Cecília Moreira
3
Hasman, Priscilla Moreira
RESUMO:
O estudo apresenta características explorat
órias, abordagem qualit
ativa e entrevista
semi-estruturada. Refere-se à participaç
ão de voluntários
no Projeto Saúde da
Criança, desenvolvido em Volta Redonda (R
J). Teve por objetivo
s: identificar os
fatores que condicionam os colaboradores a se
integrarem neste
projeto, apontar as
estratégias utilizadas pelos colaboradores e
levantar os resultados, a partir das
intervenções realizadas por eles. Constatou-se que o ingresso em uma atividade
social visa atender as nec
essidades de uma comunidade,
para que todos possam ter
acesso a uma vida saudável. As ativid
ades de promoção e educação em saúde
contribuíram para a formação e desenvolvim
ento da consciência crítica das pessoas
em relação a saúde, estimulando a organi
zação de ações coletivas e construindo
uma vida saudável. A melhora da qualidade de
vida ficou evidente, refletindo na
autovalorização das pessoas, que passaram
a se preocupar mais em cuidar de sua
saúde.
Palavras-Chave: Prevenção; Promoç
ão; Educação em Saúde; Cultura.
1
Graduanda do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Livre-docente e Doutora em Enferm
agem. Coordenadora do Curso de Graduação
em Enfermagem do UniFOA.
3
Docente e Orientadora do Curso de Enfe
rmagem do UniFOA. Especialista em
Saúde da Criança.
PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA NA UN
IDADE DE TERAPIA INTENSIVA:
PROTOCOLO E EDUCAÇÃO CONTINUADA
1
Souza, Natália Cristina Abreu de
2
Silva, Maria Cristina Azevedo da
3
Silva, Fabiano Júlio
RESUMO:
Esta pesquisa apresenta como objeto o discurso de enfermeiros acerca da aplicação
da educação continuada e o protocolo de
Parada Cardio-Respíratória (PCR) na
Unidade de Terapia Intensiva (U.T.I.).
Pesquisa com abordagem qualitativa,
descritiva, que contou com 2 questões abertas,
e teve como sujeitos enfermeiros da
U.T.I. de uma instituição privada do municí
pio de Volta Redonda (RJ). Tendo como
objetivos estimular a capacitação de f
uncionários da área de saúde para atuar de
forma segura na Parada Cardio-Respiratória
e identificar as ações de enfermeiros no
gerenciamento nos atendimentos em PCR.
Os resultados demonstraram como
estímulos de capacitação a sincronia si
stematizada de atuações dos membros da
equipe de enfermagem, a realização de proc
edimentos protocolados dando ênfase
ao processo de enfermagem em situações
de emergência como
na PCR. Em suma
prevê-se que através do manej
o de conhecimentos teórico-
práticos por enfermeiros
na assistência em PCR, favorecerá
a atuação da equipe de enfermagem,
proporcionando as chances de sobrevida do
clientela e até mesmo minimização de
seqüelas.
Palavras-Chave: Assistência de Enfermagem;
Parada Cadio-Respiratória; Protocolo.
1
Acadêmica do 8º período do curso de graduação em Enfermagem
2
Docente do curso de graduação em Enferm
agem do UniFOA, Especialista em
Comissão de Infecção Hospitalar.
3
Docente do curso de graduação em Enferm
agem do UniFOA, Especialista em
Terapia Intensiva.
CONTROLE E PREVENÇÃO DAS INFE
CÇÕES HOSPITALARES: EDUCAÇÃO
CONTINUADA E EQUIPE DE ENFERMAGEM
1
Cardoso, Cristiane de Barros
2
Silva, Maria Cristina Azevedo
RESUMO:
Este estudo se refere ao discurso da equipe de enfermagem acerca da educação
continuada no controle e na prevenção das
infecções hospitalares.Teve como
objetivos: descrever o signific
ado atribuído por enfermeiros,
técnicos e auxiliares de
enfermagem à educação continuada no c
ontrole e prevenção das infecções
hospitalares, apontar a participação da
equipe de enfermagem em atividades
propostas pela Comissão de Controle de Infe
cção Hospitalar (CCIH) e discutir os
resultados das atividades educativas para o
controle da infecção hospitalar, na visão
da equipe de enfermagem. Tr
ata-se de um estudo
qualitativo, do tipo descritivo, que
foi realizado em um hospita
l público de Volta Redonda (RJ)
, e teve como sujeitos
trabalhadores de enfermagem. A coleta de dados
se deu através de um questionário
estruturado, contendo três
perguntas abertas. Os resultados obtidos demonstraram
que o significado da educação c
ontinuada para o controle
e prevenção da infecções,
segundo relatos, mostrou-se relevant
e por proporcionar
conhecimentos aos
profissionais. Quanto ao questionamento
sobre a participação da equipe de
enfermagem na execução das atividades educ
ativas, a equipe revelou-se motivada
ao desenvolvimento destas ações e os resultados da educação continuada
proporcionam melhorias na qualidade da
assistência e con
scientização de toda
equipe.
Palavras-Chave:
Infecção Hospitalar; Educação Continuada; Equipe de
Enfermagem.
1
Graduanda do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de Graduaç
ão em Enfermagem. Especialista em
Controle de Infecção Hospitalar.
ATUAÇÃO DE ENFERMEIROS ASSITE
NCIAIS JUNTO À COMISSÃO DE
CONTROLE DE INFECÇÃO HSOPITALAR
1
Soares, Fabiana Aparecida da Silva Vieira
2
Silva, Maria Cristina Azevedo
3
Cândido, Simone
RESUMO:
Este estudo teve como objeto a fala de enf
ermeiros assistenciais acerca da atuação
de enfermeiros da Comissão de Controle
de Infecção Hospitalar (CCIH).
Objetivando: analisar o discurso de enfermeiros
assistenciais acerca de enfermeiros
que atuam na CCIH, identificar se exis
te uma disposição de enfermeiros
assistenciais em auxiliar o enfermeiro da CCIH e avaliar o conhecimento de
enfermeiros assistenciais sobre as normas
e rotinas estabelecidas pela CCIH e as
conseqüências da não aplicabilidade de técn
icas orientadas. Estudo qualitativo, de
caráter descritivo e exploratório. Para a
coleta de dados foi utilizado um questionário
com três perguntas abertas, onde foram ques
tionados vinte enfermeiros assistentes.
Os resultados demonstraram que os sujeit
o reconhecem a atuação do enfermeiro da
CCIH como significativa para a assistência
de enfermagem e as ações preventivas
orientadas junto ao client
e. Ainda foi possível per
ceber que os enfermeiros
assistenciais reafirmam sua responsabilidad
e na implantação de normas e rotinas da
CCIH e que reconhecem a participação
ainda ineficiente dos enfermeiros
assistenciais às atividades
da CCIH. Os sujeitos relataram ainda que se tornam
responsáveis na sensibilização e con
scientização da equipe de enfermagem para a
efetivação das ações preventivas. Conclu
i-se que com uma maior interação entre
enfermeiros assistenciais e da CCIH, as
normas e rotinas estabelecidas irão se
efetivar na prática, c
onseqüentemente o controle e
a prevenção da infecção
hospitalar.
Palavras-Chave:
Enfermeiros Assistenciais; CCHI; Atuação.
1
Graduanda do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de
Graduação em Enfermagem do UniFOA.
Especialista em Controle de Infecção Hospitalar.
3
Docente e Orientadora do Curso de
Graduação em Enfermagem do UniFOA.
Especialista em Terapia Intensiva.
Biossegurança: o conhecimento dos acadêmicos de
enfermagem
MONTEIRO, Gabrielle Cirino
[1]
LOPES, Poliana*
SOUZA, Inês Leoneza de**
PEREIRA, Miriam Salles
[2]
R
ESUMO
O estudo aborda o significado do uso dos
EPI (Equipamentos de Proteção
Individual) pelos acadêmic
os de enfermagem. Os obje
tivos foram identificar o
entendimento do acadêmico de
enfermagem acerca da biossegurança e do uso
dos equipamentos de proteção
individual. Teve como in
strumento de coleta de
dados um questionário estruturado de
natureza quantitativa, onde 117
acadêmicos foram entrevistados. Os resu
ltados permitiram apreender que o termo
biossegurança é conhecido por 91% dos entrevistados, observamos que 34%
identificaram “risco radioativo”
quando na realidade era o símbolo de
infectante/risco biológico. Identific
amos que 90% dos entrevistados acham
importante uma abordagem maior na bios
segurança. O estudo apontou que o
assunto deve ser enfatizado nos cursos de graduação, reforçando a necessidade
de buscar novos conhecimentos e técnicas para o aperfeiçoamento dos
enfermeiros.
P
ALAVRAS
-
CHAVE
: A
CADÊMICOS DE ENFERMAGEM
,
BIOSSEGURANÇA
,
CONHECIMENTO
.
[1]
Acadêmica de enfermagem do 8º período do curso de graduação em enfermagem no Centro
Universitário de Volta Redonda – UniFOA
. E-Mail:gabi_gabimonteiro@hotmail.com
[2]
Enfermeira, Mestre em Ciências, Professora responsável das disciplinas de Imunologia,
Microbiologia, Semiologia e Semiotécnica, Saúde do Adulto e Idoso II do Centro Universitário de Volta
Redonda – UniFOA. E-Mail:misalles@globo.com
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM: CONTRI
BUIÇÕES PARA O PROCESSO DE
ENFERMAGEM
1
Penedo, Natália dos Santos
2
Hoyashi, Clarice Mayremi Toshimitu
RESUMO:
Este estudo trata de um levantamento
documental dos registros de técnicos e
auxiliares de enfermagem em prontuários
hospitalares. Dessa forma, estabelecemos
como objetivos: identificar as não
conformidades nas anotações de enfermagem
realizadas por técnicos e auxiliares de enf
ermagem e avaliar se os registros de
enfermagem estão adequados para uma análise
e interpretação efet
iva da equipe de
saúde. Trata-se de uma pesqu
isa quantitativa, de caráter descrito, documental. Para
a coleta de dados utilizamos um formulári
o para a análise das anotações efetuadas
por técnicos e auxiliares de enfermagem cont
idas no prontuário de pacientes de uma
instituição hospitalar de Vassouras(RJ).
A avaliação de 30 prontuários, seguiu
segundo os seguintes critérios: erros de por
tuguês, rasuras, legibilidade, linhas em
branco, dificuldade de interpretação, au
sência de assinatura e carimbo. Os
resultados revelaram que 67% das anotações apresentavam erros de português, que
83% apresentam rasuras à caneta e 67% dos registros apresentavam erros
encobertos por corretivos. Além disso, fora
m constatados 33% de ocorrências, com a
existência de espaços em branco entre
uma anotação e outra, e em 83%
dificuldades na interpretação dos registros.
Constatou-se que todos os prontuários
não utilizaram carimbo. Conclui-se que as
anotações/registros efetuadas pela equipe
de enfermagem, não fornecem os dados nec
essários capazes de subsidiar o
cuidado ao cliente.
Palavras-chave: Registros; Equipe de Enfermagem; Processo de Enfermagem.
1
Graduanda do 8° período do curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Enfermeira habilitada em Enfermagem Médi
co-cirúrgica, Docente do UniFOA/e-mail:
clamth@terra.com.br
.
ENFERMAGEM E O CUIDADO A P
ACIENTES COM PÉ DIABÉTICO
1
Dantas, Juliana Rezende Godinho Zeringota
2
Oliveira, Clarissa Ferreira Pontual de
RESUMO:
Este estudo consiste no discurso da equipe
de enfermagem acerca da assistência
necessária a pacientes com úlcera em pé di
abético. Teve como objetivos: identificar
os cuidados realizados a pacientes com úl
cera em pé diabético, referidos pela
equipe de enfermagem e apontar as principais
dificuldades evidenciadas pela equipe
de enfermagem no tratament
o de pacientes com úlcera em pé diabético.
Trata-se de
um estudo com abordagem qualitativa, de caráte
r descritivo. O instrumento de coleta
de dados foi um questionário com duas pergunt
as abertas, direcionadas às equipes
de enfermagem que assistem clientes diabéti
cos com lesões ulcerativas em região
pododáctila, em um hospital público do muni
cípio de Barra Mansa (RJ). O estudo
nos permitiu identificar os principais cu
idados que a equipe de enfermagem presta
junto a pacientes com úlcera
em pé diabético, à medi
da que os resultados nos
demonstrou que os profissionais de enfermagem referem à realização de curativos
assépticos nas lesões para o tratamento
e cicatrização das mesmas, orientações
relacionadas ao cuidado e aut
o-cuidado com os pés e a necessidade de uma dieta
balanceada e um controle dos ní
veis sangüíneos da glicose.
Dentre as dificuldades
encontradas durante o tratamen
to das lesões nos pés de pacientes diabéticos, os
achados evidenciaram que a equipe de
enfermagem relata a não adesão ao
tratamento, e a falta de materiais apropria
dos para a assistência, dificultando assim a
melhora do paciente e conseqüentemente da
lesão ulcerativa. Conclui-se que o
plano de cuidados traçado deve se pautar
na prevenção das complicações e na
qualidade de vida dos portador
es da doença, se torna re
levante sempre discutir e
pesquisar esta temática.
Palavras-Chave:
Lesão Ulcerativas; Assistência de Enfermagem; Diabetes Mellitus.
1
Graduanda do Curso de Graduação em Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de Graduaç
ão em Enfermagem. Especialista em
Gerência dos Serviços de Enfermagem.
CONSULTA DE ENFERMAGEM EM GINEC
OLOGIA E O CONFLITO DE GÊNERO
1
Silva, Giuliano Exposito El da
2
Costa, Adriana Aparecida da Cruz
RESUMO:
Este estudo trata do discurso de mulheres
acerca da consulta de enfermagem em
ginecologia realizada
por profissionais do gênero mascu
lino. Objetivando: analisar o
quantitativo de mulheres que já realizaram
consultas de enfermagem em ginecologia
conduzida por enfermeiros do sexo mascu
lino em uma unidade da Estratégia Saúde
da Família (ESF) e identificar quais os obs
táculos referidos pelas mulheres para
realização de uma consulta de enferm
agem em ginecologia conduzida por
enfermeiros do sexo masculino. Est
udo quanti-qualitativo,
numa abordagem
descritiva. Foram utilizados questionário
s para a coleta de dados. Os resultados
revelaram que o quantitativo de mulheres
que já realizaram consulta ginecológica
com enfermeiros do sexo masculino foi inferior ao de mulheres que nunca
realizaram. Algumas mulheres não encon
tram dificuldades em serem atendidas
numa consulta ginecológica por enfermeir
os do sexo masculino, destacando a
necessidade deste profissional se comporta
r com profissionalismo, qualificação e um
bom atendimento, já outras entrevistadas
sentiam-se envergonhadas diante de sua
exposição há um profission
al de outro sexo. Conclu
i-se que há a necessidade de
realizar mais pesquisas acerca desta
temática para que seja uma crescente a
inserção do profissional enfermeiro do se
xo masculino no cuidado a mulher, e para
que esta clientela conheça melhor o p
apel do profissional de enfermagem na
consulta ginecológica.
Palavras-Chave:
Consulta de Enfermagem; Ginecologia; Gênero.
1
Graduanda do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de
Graduação em Enfermagem do UniFOA.
Especialista em Obstetrícia e Neonatologia.
HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊN
CIA DE ENFERMAGEMNA ESTRATÉGIA SAÚDE
DA FAMÍLIA (ESF)
1
Moutinho, Cristiane Fernandes
2
Souza, Inês Leoneza
RESUMO:
Este estudo tem como objeto o discurso de
enfermeiros acerca do acolhimento como
estratégia para a humanização da assi
stência de enfermagem no contexto da
Estratégia Saúde da Família
(ESF). Traçou-se como objetivos: analisar o que
pensam os enfermeiros sobre a humaniz
ação da assistência de enfermagem e
identificar ações relacionadas ao acolhi
mento como estratégia para humanização.
Trata-se de uma pesquisa exploratória, co
m abordagem qualitativ
a, desenvolvida em
Volta Redonda (RJ). O instrumento esco
lhido para a coleta de dados foi um
questionário com três perguntas abertas. O
estudo revelou que o acolhimento é uma
estratégia indispensável para fortalecer o
vínculo com o usuário, além de ser visto
como uma estratégia imprescindível par
a o bom desempenho da ESF. Foi possível
vislumbrar a preocupação dos
entrevistados em prom
over uma assistência de
qualidade, humanizada e com acolhimento
ao usuário. Este estudo levou-nos a
concluir que há a necessi
dade de um cuidado humanizado junto a população que
busca as unidades da EFS e perceber o significativo papel do enfermeiro, no que
tange a efetivação das ações que visem
a qualidade da assist
ência prestada.
Palavras-Chave:
Enfermagem; Humanizaç
ão; Acolhimento.
1
Graduando do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de Graduação em Enfermagem do UniFOA.
GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
UM PROBLEMA DE SAÚDE
PÚBLICA
*Joaquim, Diego da Silva
**Souza, Inês Leoneza
Resumo:
Este estudo tem como objeto o discurs
o de acadêmicos do 1º período da graduação
em enfermagem do Unifoa sobre a gravidez
na adolescência. Tendo como objetivos
identificar nas falas de acadêmicos os fa
tores que possam levar a ocorrência da
gravidez na adolescência, descrever
o que eles pensam sobre a atuação de
enfermeiros no acompanhamento a adolescent
e grávida e analisar sobre o que
referem acerca da educação sexual cond
uzida por enfermeiros. O estudo segue
rumo à abordagem qualitativa com caracter
ística exploratória. O instrumento de
coleta de dados foi um questionário. Os
resultados permitiram apreender que a
gravidez na adolescência é conseqüência da falta de informação acerca da
sexualidade, a maioria dos
adolescentes possuem conhec
imentos parciais acerca
dos métodos contraceptivos e a falta de
estrutura familiar,
sobre a atuação de
enfermeiros foram feitas colocações
sobre o acompanhamento em consultas de
enfermagem, realização de pré-
natal especificamente e ac
olher também a família
da(o) adolescente, quanto a educação
sexual surgiram apontamentos que
contemplam a realizações de grupos temáti
cos sobre a sexualidade, palestras com
adolescentes e a orientação sobre métodos c
ontraceptivos. Conclui-se que o fato de
enfermeiros reconhecerem que há práticas sexuais na adolescência, torna evidente
a necessidade de se trabalhar com os tais
sobre educação sexual e manejar acerca
do uso de métodos contraceptivos, pe
rmitindo aos adolescentes optar por uma
gestação precoce ou não.
Palavras-Chave:
Gravidez na adolescência; Acadêmicos de Enfermagem;
Assistência
1
Graduando do 8º período do Curso de Enfermagem do UniFOA.
2
Docente e Orientadora do Curso de Graduação em Enfermagem do UniFOA.
PARTO NATURAL: PARTICIPAÇÃO DA ENFERMAGEM
1
Vilela, Liana dos Santos
2
Silva, Renata Martins da
RESUMO:
O presente artigo tem como objeto o discurs
o de enfermeiros, técnicos e auxiliares
de enfermagem acerca da assistência
prestada à mulheres
parturientes.
Estabeleceu-se como objetivos: analisar o que referem enfermeiros, técnicos e
auxiliares de enfermagem a res
peito do parto normal, identificar ações realizadas
pela equipe de enfermagem no pr
é-parto e parto, e apontar
facilidades e dificuldades
referidas pela equipe de enfermagem no
atendimento a parturiente. Estudo numa
abordagem qualitativa, descritiv
o e exploratório, tendo como sujeitos enfermeiros,
técnicos e auxiliares de enfermagem de um
hospital público do município de Volta
Redonda (RJ). Os dados foram coletados
por meio de questionário estruturado com
3 perguntas abertas. Através da análise
foi possível perceber através que a
dificuldade ainda existente em relaç
ão à desmistificação
do parto normal é
proveniente do contexto histórico, social
e principalmente de in
teresses econômicos
e corporativistas de uma peque
na parcela da população. Os
resultados mostraram
que o momento atual r
equer o esclarecimento
do verdadeiro sentido do parto e um
maior treinamento dos profi
ssionais que nele atuam.
Palavras-Chave
: Parto Normal; Assistência de
Enfermagem; Autonomia da Mulher.
1
Graduanda em Enfermagem do UniFOA -8º Período.
2
Docente do Curso de Graduação em Enfermagem do UniFOA. Mestranda do Programa de Pós-
Graduação-Mestrado Profissional em Ensino de Ciência da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA.
e-mail:
renata.martins@foa.org.br

Oxímetros de Pulso              Estestoscópios              UltraSom              Glicosímetros

Links patrocinados