Enfermagem Na Net: Dicas para pais e filhos adotivos: como fortalecer o vínculo afetivo

Links Patrocinados

Oxímetros de Pulso              Estetoscópios              UltrasSom              Glicosímetros

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Dicas para pais e filhos adotivos: como fortalecer o vínculo afetivo

Dicas para pais e filhos adotivos: como fortalecer o vínculo afetivo

 
São grandes os desafios de construir uma relação entre pais e filhos adotivos. As dificuldades por que passam, antes e depois da formação dessa nova família, são muitas, mas podem ajudar a criar laços ainda mais fortes.

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-615566659-ultrassom-fetal-doppler-portatil-babysound-b-garantia-1-ano-_JM


“Na nossa cultura está inscrito no imaginário que a mãe que gera deve ser a mesma que cria. Quando adota-se uma criança, esse elo é rompido. Isso se torna uma dificuldade para essa nova relação. Porém, quando pais e filhos adotivos integram suas experiências vividas e suas particularidades, ocorre a superação desse aspecto negativo de rompimento”, comenta a psicóloga Maria Salete Abrão, autora do livro Construindo vínculo entre pais e filhos adotivos (Primavera Editorial).

A lei brasileira inicia a jornada de obstáculos que futuros pais e filhos adotivos têm que enfrentar. “Existe a tentativa de priorizar a família biológica, ainda que não tenham condições de criá-los”, diz Maria Salete. A incompatibilidade do desejo dos candidatos à adoção em relação às crianças disponíveis em lares espalhados pelo Brasil é um outro grande desafio.
“Geralmente, esses casais possuem um histórico de infertilidade. Por isso, anseiam um bebê recém-nascido, que venha suprir essa falta. Dificilmente as crianças disponíveis para adoção se enquadram na aspiração de grande parte dos candidatos, principalmente em relação à idade e cor da pele”, lamenta.
Quando a adoção é efetivada, as dificuldades mudam, mas não desaparecem. A questão do abandono, pela mãe biológica, pode representar um novo tipo de obstáculo. “A ideia é: se o filho adotivo é biologicamente e geneticamente herdeiro de alguém a quem se atribui um valor negativo, ora ela abandonou o filho, logo é ‘má’. Qualquer mau comportamento, como uma birra, desse filho pode ser vista como manifestação do ‘mau sangue’. E isso pode gerar medo e estranhamento dentro dessa nova família”, explica a autora.

Dicas para pais adotivos

Para que esse tipo de situação não influencie negativamente a construção desse novo vínculo, é preciso que haja liberdade e naturalidade para falar sobre o assunto pais biológicos. “Se para os pais adotivos os pais consanguíneos são tidos como os “verdadeiros”,  serão sempre como “fantasmas” a assombrar esses pais que passam a considerá-los como ameaça ao laço que têm com o filho que adotaram. Isso faz com que tenham receio e dificuldades em revelar a adoção e em falar sobre ela com o filho. A história fica recheada de silêncios, lacunas e segredos. O que com certeza trará problemas para o caminho comum percorrido por esses pais e seu filho”, observa.
Aliás, o reconhecimento das diferenças entre pais biológicos e adotivos é imprescindível na construção do laço de adoção. “Eles não são iguais. Mas isso não quer dizer que um seja melhor que o outro. Se esse espaço for garantido, o filho adotivo pode construir sua  história, incluindo a diferença e tendo liberdade para falar sobre isso. Isso permite que pais e filhos adotivos resgatem e construam novos elos, gerando melhores condições para que lidem com as eventualidades de suas histórias de vida”, finaliza a autora. 
 



Oxímetros de Pulso              Estetoscópios              UltrasSom              Glicosímetros

powered by phpList

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Links patrocinados